Na manhã da última segunda-feira, 7, o Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Universidade Estadual do Ceará – Iepro, representado pelos diretores-Presidente e de Operações e Controle, Prof. Luiz Carlos Mendes Dodt e Ana Paula Barbosa Moura, respectivamente, esteve presente na solenidade de posse do secretário de Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Ceará – Secitece, Inácio Arruda, que foi reconduzido à pasta. O vice-reitor da Uece, Prof. Hidelbrando Soares, bem como pró-reitores e professores da Universidade, também prestigiaram a cerimônia, realizada na sede do órgão, em Fortaleza.

Inácio Arruda (esq.), secretário da Secitece, e Prof. Dodt, diretor-presidente do Iepro. Foto: Ascom Iepro

Inácio Arruda com representantes da Uece. Foto: Ascom Uece

Diante de colaboradores e dirigentes de instituições vinculadas à Secitece, Inácio ressaltou o papel da Secretaria e a importância da Ciência e da Tecnologia no contexto da comunidade. “A Secitece tem como característica a transversalidade e que aporta junto à segurança pública, cidades, desenvolvimento econômico e, sobretudo, o desenvolvimento social. A parceria com as indústrias promove a inovação tecnológica nas empresas. Vamos colocar a estrutura do Estado à serviço do povo do Ceará, é isso que nós almejamos. Nossa responsabilidade é muito grande. Precisamos deixar que a Ciência e a Tecnologia possam tocar o coração do povo para que compreendam o papel da C&T nas suas vidas. Nossa cor é a do desenvolvimento, da inclusão social, nossa cor é a cor do povo cearense que é de todas as cores”, disse Inácio.

Vice-governadora Izolda Cela (esq.), Inácio Arruda e Nágyla Drumond, ex-secretária da Secitece. Foto: Ascom Secitece

A vice-governadora Izolda Cela destacou como fundamentais as políticas de apoio e permanência dos jovens nas universidades e a transferência de tecnologia para as comunidades e pessoas trabalhadoras, ambas as ações de competência da Secitece. “São possibilidades que abrem perspectivas muito promissoras para o desenvolvimento do trabalho e da renda e que se conectam aos desafios do Estado: a promoção e o desenvolvimento de pessoas”, afirmou Izolda. 

Conhecendo o secretário

Eleito em 1990 para a Assembleia Legislativa do Ceará, Inácio Arruda teve seu mandato marcado pela presença assídua e destacada nas mobilizações populares e por uma intensa e criativa atuação em plenário.

Em 1994, elegeu-se deputado federal, sendo reeleito em 1998 e 2002. Nesse período, presidiu a CDUI – Comissão de Desenvolvimento Urbano e Interior, promovendo a Conferência das Cidades e a Conferência Nacional de Saneamento. É autor do substitutivo que originou a Lei que regula o capitulo da política Urbana da Constituição Federal (artigos 182 e 183), denominado “Estatuto da Cidade”.

Em 2006, foi eleito Senador da República. Inácio Arruda defendeu maiores investimentos para o desenvolvimento de tecnologias e implantação de polos de energias renováveis no País, valorizando o potencial brasileiro e cearense para a geração de energia eólica e solar. Foi o coordenador do grupo de trabalho da Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado, que elaborou o projeto de lei do marco regulatório para os biocombustíveis.

Durante todos os anos em que atuou no Congresso Nacional, Inácio destinou recursos de emendas parlamentares para fortalecer entidades como o Instituto Federal do Ceará (IFCE), Universidade Regional do Cariri (Urca), Universidade Estadual do Ceará (Uece), Universidade Federal do Ceará (UFC), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Instituto de Ciências do Mar – Labomar/UFC, dentre outras ligadas à pesquisa científica, avanços tecnológicos e ensino superior. Relatou o projeto que garantiu a criação da Unilab e a Universidade Federal do Cariri.

Inácio apresentou o Projeto de Lei 48/2014, que garante incentivos à autoprodução de energia elétrica a partir da microgeração e minigeração distribuída, que utilizem fontes com base em energia hidráulica, solar, eólica, biomassa e cogeração qualificada. Defendeu maiores investimentos na química verde, que tem preocupação com o desenvolvimento científico de forma sustentável.

O Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado em 2014, incluiu emenda de Inácio estimulando a expansão e reestruturação das instituições de educação superior estaduais e municipais, cujo ensino seja gratuito, por meio de apoio técnico e financeiro do Governo Federal. O número de universidades estaduais e municipais elegíveis para o recebimento de apoio técnico e financeiro da União foi ampliado.

 

(com informações da Ascom Secitece)