Foi realizada, na tarde da última segunda-feira, 7, na Reitoria da Universidade Estadual do Ceará – Uece, a solenidade de assinatura do contrato com a empresa Sertão Construções Emp. e Serviços Eireli, vencedora do processo licitatório, promovido pela Comissão Permanente de Licitação do Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Uece – Iepro, para obra de complementação e conclusão do Núcleo de Estudos Ambientais – NEA, da Uece. Na ocasião, também foi assinada a ordem de serviço para a continuidade da obra do novo Núcleo de ensino e pesquisa.

Participaram da cerimônia o presidente da Funece e reitor da Uece, Prof. Dr. Jackson Sampaio, o vice-reitor, Prof. Hidelbrando Soares, o diretor-presidente do Iepro, Prof. Luiz Carlos Mendes Dodt, o diretor da Sertão Construções, Jaime Alexandre Alves, a pró-reitora de Graduação, Profa. Mônica Duarte, o pró-reitor de Planejamento, Fernando Antônio, o diretor do Centro de Ciência e Tecnologia – CCT Uece, Prof. Luciano Cavalcante, a assessora jurídica do Iepro, Dra. Norma Bezerra, a equipe da CPL Iepro (Valéria Vital, Liliana Simão e Paulo Júnior), o coordenador da Coordenadoria Geral de Engenharia da Funece, Oto Soares, entre outros convidados. 

Sobre a obra

Orçada em R$571.491,51 (quinhentos e setenta e um mil quatrocentos e noventa e um reais e cinquenta e um centavos), a obra é fruto do convênio de nº 01.16.0072.00, firmado entre a Financiadora de Estudos e Projetos – Finep, a Funece e o Iepro. O prazo para a entrega do Núcleo é em agosto. 

Sobre o NEA

Com o objetivo de reunir profissionais de diferentes áreas, ligados ao Mestrado Acadêmico em Recursos Naturais, Programa de Pós-Graduação em Geografia, Doutorado de Biotecnologia e Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, o NEA, cujo espaço corresponde a 532 m², abrigará diretamente em suas dependências 12 docentes, 24 estudantes do Mestrado em Recursos Naturais, e, indiretamente, 16 professores e 32 alunos de Mestrado Acadêmico em Geografia, 12 docentes e 34 discentes do Mestrado Acadêmico em Ciências Físicas Aplicadas, além de 15 doutorandos de Biotecnologia da Rede Nordeste de Biotecnologia – Renorbio