O Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Universidade Estadual do Ceará – IEPRO promoveu a palestra “Depressão e suicídio no trabalho: vamos conversar sobre isso?”, com Lise Mary, doutoranda em Educação, mestre e professora do curso de Psicologia da UECE. A atividade, realizada na tarde da última terça-feira (25), foi a primeira em alusão à Campanha Setembro Amarelo que ocorreu no Instituto. 

Assuntos como depressão, efeitos psicossociais, saúde mental no ambiente de trabalho, entre outros temas foram apresentados durante a palestra. “Do ponto de vista das relações sociais e culturais existentes na sociedade, evidencia-se hoje a busca pelo consumo desenfreado, caracterizada pelo individualismo, pela efemeridade e pelo descompromisso. Ondas de violência, banalização da vida, vulnerabilidade e declínio dos sistemas de simbolização, além da crueza das passagens ao ato, se fazem presentes. Busca-se na sociedade atual a criação de populações de consumidores, ávidos de gozo perfeito, sem limites”, afirma Lise. 

A palestra teve o objetivo de provocar a consciência sobre as possibilidades de prevenção de fatores que podem desencadear problemas de saúde emocional, a partir da construção de relações mais saudáveis no ambiente profissional, afinal, quando o local de trabalho é bom, agradável e produtivo, as jornadas ficam mais leves. 

Caso de saúde

No Brasil, pelos 32 pessoas morrem todos os dias por suicídio e cerca de 17% dos brasileiros já pensaram em tirar a própria vida. De cada 10 mortes por suicídio, 9 poderiam ter sido evitadas com tratamento adequado, é o que aponta o Centro de Valorização da Vida – CCV. Ao ano, são registrados no país mais de 11 mil casos, colocando o Brasil entre os 10 países com maior incidência de suicídio. 

A taxa de suicídio é a segunda maior entre jovens de 15 a 19 anos, atrás apenas dos acidentes de trânsito. Desemprego, perda de familiares, doenças emocionais decorrentes de vários fatores, dentre eles, o ambiente de trabalho, sãos algumas da possíveis causas de um suicídio. Nos últimos 40 anos, o número de suicídios no Brasil cresceu 60%, aponta o Conselho Federal de Psicologia.

Ações como suporte emocional, busca de tratamento adequado para deficiências emocionais, etc., podem ajudar a evitar os suicídios, além de mais políticas públicas para o problema. 

Setembro Amarelo

Promovida pelo CCV, Conselho Federal de Medicina, e pela Associação Brasileira de Psiquiatria, a Campanha Setembro Amarelo foi criada em 2015 e tem o objetivo de desmistificar o suicídio e estimular o urgente e necessário diálogo em torno do assunto, ainda um tabu em muitos segmentos da sociedade. A campanha é realizada em setembro em razão do Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, constituído em 10 de setembro. Durante todo o mês, vários prédios públicos são iluminados de amarelo para reforçar a campanha.

Utilidade pública

O CCV atende pelo telefone 188 (24 horas por dia e sem nenhum custo), pessoalmente (em 93 postos de atendimento. Em Fortaleza, o CCV atende na Rua Ministro Joaquim Bastos, 806 – bairro de Fátima) ou pelo site www.ccv.org.br (chat e e-mail). São mais de 2 mil voluntários distribuídos em 19 estados, mais o Distrito Federal. Cerca de 2 milhões de atendimentos são realizados anualmente.