Mais de 2 mil trabalhos expostos, 100 minicursos realizados e um conjunto de atividades que contemplou conhecimento e aprendizado. Esse foi o quociente da Semana Universitária 2018, realizada pela Universidade Estadual do Ceará – Uece. Com o apoio do Instituto de Estudos, Pesquisas e Projetos da Uece – Iepro, o evento, em sua 23ª edição, apresentou, entre os dias 22 e 26 de outubro, diversas ações, intercaladas a partir da tríade ensino, pesquisa e extensão.

A solenidade de encerramento da Semana Universitária da Uece ocorreu na última sexta-feira (26), no auditório principal da Universidade, no Campus do Itaperi, em Fortaleza. Acompanhado do vice-reitor, Prof. Hidelbrando Soares, e pró-reitores, o reitor da Uece, Prof. Dr. Jackson Sampaio, destacou a importância do evento. “É uma Semana que a cada ano mais cresce. Foram 100 minicursos, 40 oficinas, 18 serviços prestados a comunidade e mais de dois mil trabalhos apresentados. Foi um conjunto de atividades fantástico, que caracteriza um grande evento cultural, artístico e científico desta universidade”, disse. Na ocasião, foram premiados 17 trabalhos inscritos nos encontros de iniciação científica, de pesquisadores, de monitoria acadêmica, de estágio supervisionado, e de extensão.  

Reitor da Uece, Prof. Dr. Jackson Sampaio. Foto: Ascom Uece

XXIII Semana Universitária Uece

Considerado o maior evento científico e cultural da Uece, a Semana Universitária de 2018 apresentou o tema “Universidade e valores humanos: construindo uma cultura de paz”, escolhido a partir de votação aberta realizada entre estudantes, servidores e professores da Uece. O evento, realizado simultaneamente nos campi de Fortaleza, Iguatu e Quixadá, recebeu centenas de estudantes do ensino médio de várias escolas públicas e particulares de Fortaleza e cidades do interior cearense, que visitaram a Feira das Profissões, realizada pela sexta vez consecutiva dentro da Semana Universitária. Ainda durante o evento, ocorreu a VI Campanha Solidária, que arrecadou alimentos para a Casa de Nazaré e Casa do Menor Miguel Arcanjo, que acolhem, respectivamente, mulheres idosas e crianças vulneráveis ou em situação de risco social. 

 

(com informações da Ascom da Uece)