Hoje (20), é celebrado nacionalmente o Dia da Consciência Negra. Para dialogar e debater as questões étnico-raciais no contexto cearense, tendo em vista a negação histórica da existência da população negra em nosso estado, a Universidade Estadual do Ceará, por meio do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Afrobrasilidade, Gênero e Família – Nuafro/Uece, realiza durante toda esta terça-feira a 3ª edição do Seminário Afrocearensidades: enfrentamento do racismo na década dos afrodescendentes. O evento ocorre até as 22h, no auditório central do Campus do Itaperi, em Fortaleza. A inscrição é on-line (aqui), e a entrada é gratuita. 

A taxa de homicídios de negros foi duas vezes e meia superior à de não negros. A constatação é apontada pelo Atlas da Violência 2018, a partir de dados coletados em 2016. Em 10 anos (2006-2016), a taxa de homicídios de negros cresceu 23,01%, ao passo que o número de não negros assassinados reduziu cerca de 6,8%, de acordo com a pesquisa realizada entre o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Realidade, portanto, que reforça a necessidade do diálogo em torno do racismo existente no país.

Consciência Negra

A data foi instituída oficialmente a partir da lei federal 12.519/2011. O 20 de novembro marca a morte de Zumbi dos Palmares, líder do quilombo de nome homônimo, localizado no estado de Alagoas.